Mês: novembro 2008

A Névoa

Todos os dias ao acordar, estico a vista pro lado de fora da janela e vejo as duas magníficas colinas que se erguem por trás da estalagem na qual estou hospedado. São duas colinas com esparsas castanheiras seculares, gigantes da altura de 50 homens. Alí embaixo o gado pasta tranquilo o dia inteiro, mas a névoa branca que recobre a floresta sobre a colina me incomoda.

Observo a névoa e me sinto observado. Não consigo entender essa sensação, mas tenho a nítida impressão de que há algo ali, se aviltando sobre aqueles que estão aqui embaixo. A névoa não desce a colina, mas a encobrem, reclamando para ela aquela parte da colina e da floresta. Meu corpo se enregela ao pensar no que pode estar escondido na névoa.

Aqui embaixo as pessoas vivem suas vidas, sem subir a colina. Numa pequena cidade do interior do grande reino Norte. Uma terra de riquezas, seja pelo gado, pela madeira explorada ou mesmo pela grande quantidade de minérios.

Aqui convivem os belos elfos, os robustos anões, os perseverantes humanos e os alegres pequenos, assim como outras criaturas que se escondem nas sombras e na  névoa, arquitetando a derrocada do reino e fazendo sacrifícios a seus deuses sangrentos.

Perdido em minhas divagações volto meus pensamentos para a névoa, que está lá, sempre lá, me convidando para conhecê-la, mas não sei se quero adentrar seus domínios sombrios.

RPG na minha vida

Já li em alguns locais, algumas vezes escritas de forma cômica, textos assim: “como o RPG mudou a minha vida“, “como eu me tornei uma pessoa melhor com o RPG” e até “como o RPG acabou comigo“.

Sempre que esses textos aparecem na internet, são sempre acompanhados de polêmicas, algumas vezes polêmicas injustificadas.

Particularmente não posso falar pelos outros e nem irei falar com eloqüência da minha experiência, pois das inúmeras pessoas com as quais já tive contato, percebi que cada uma delas vivencia o hobbie de uma forma diferente e pode ou não desenvolver certas aptidões em virtude do RPG.

Desde criança eu gostei de ler e conheci o RPG logo após de ter comprado um Playstation. O video game nunca foi ligado por mim, pois tão logo comprado foi vendido para que eu comprasse por R$150,00 os três livros básicos de AD&D 2ª Edição e isso foi no finalzinho de 1995.

Antes de adquirir os três livros básicos, eu já jogava com o First Quest, o qual interpretei Beldar o Guerreiro na primeira aventura e por contestar algumas coisas quando a li, fui intimado a narrar as demais aventuras. Narrei as outras três aventuras e desde então tenho narrado, com poucas excessões e sempre quando jogando com outros grupos.

Minhas melhores amizades foram conquistadas dentro do RPG – meus dois padrinhos de casamento eu conheci praticamente com o RPG. A maioria das pessoas que hoje considero como sendo meus melhores amigos, conheci por intermédio do RPG.

Comecei a comprar vários livros de RPG e em 1997 não tinha livro em português que eu não tivesse lido (de AD&D) e então resolvi partir para os livros em inglês, mas tinha um problema: eu não sabia nada além do “verbo to be” aprendido na escola pública (hoje as coisas estão bem melhores) e resolvi aprender inglês na marra. Comprei um livro de Undermountain e troquei esse livro numa cópia xerocada do Complete Fighter Handbook e comecei a traduzir página por página com o auxílio de um mini-dicionário Michaelis. Definitivamente não foi fácil, mas eu tinha um objetivo: entender aqueles conteúdos fantásticos e trabalhei com afinco. Anos mais tarde consegui fazer um curso de inglês, mas o aprendido de forma autodidata foi um diferencial.

Os vários anos de experiência narrando me deram certa desenvoltura que me foram muito úteis quando iniciei minha vida como professor e o hábito de pesquisar também me foram bem úteis e contribuiram para a minha formação como pesquisador.

Tenho certeza que não escrevo tão bem quanto eu gostaria e tenho consciência que sou bem prolixo, embora isso contradiga a minha formação tecnológica, mas gostaria de um dia escrever um livro, de fantasia é claro.

Eu estava terminando o texto quando me lembrei que não se pode falar somente das coisas boas, afinal, não estou aqui para ser tendencioso (embora seja impossível não sê-lo). O RPG substitui o álcool que eu não bebo, a droga que eu não consumo e o cigarro que eu não fumo, pois tenho certeza, sou dependente de saber novidades, de criar histórias, de desenvolver tramas, mas acho que isso é um vício construtivo, vai saber!

Bem, mas isso, esperando não ter sido muito prolixo no início, é para ilustrar um fato. A maioria das pessoas que jogam comigo não gostam de ler, não tem grandes interesses em criar históricos dos personagens, não gostam de acessar a internet para ver as novidades sobre o RPG, embora, quando instigados, adoram fazer certas apelações (mas isso foi na terceira edição, que Amaunator a tenha).

Se eu perguntar pra eles o que eles ganharam com o RPG, com certeza as respostas seriam bem diferentes das minhas, pois as experiências são, com certeza, diferentes, mas tenho certeza absoluta que um ponto é comum a todos, o RPG nos fez grandes amigos.

Rapidinha Lúdica – 16/11/2008

O Domingo Lúdico de hoje foi na verdade uma “rapidinha lúdica”, pois todas as circunstâncias conspiravam para que não tivéssemos uma sessão de jogo. Eu particularmente já tinha até desistido, quando recebi um telefone de Hemerson às 15h informando que poderíamos ter uma partida de umas duas horas.

Quando chegamos ao QG dos Jogos de Tabuleiro Modernos do Trampolim da Aventura – a casa do Tendson – o Arkham Horror, com uma de suas magníficas expansões estava esperando para ser montado, mas optei por um jogo menos demorado e que também agradasse a minha linda esposa Ana Paula, que não gosta de jogos colaborativos, e o Caylus foi o escolhido.

Sétimo colocado no ranking do BGG, neste jogo os jogadores “interpretam” mestres-de-obras, que no ano de 1289, devem empenhar-se na construção de um castelo para fortalecer as fronteiras do Reino da França no vilarejo de Caylus.
Seja um construtor astuto em Caylus e ganhe as graças reais.

Seja um construtor astuto em Caylus e ganhe as graças reais.

Pela construção do castelo do Rei e pelo desenvolvimento dos arredores da cidade, eles recebem pontos de prestígio e ganham os favores do rei. Quando o castelo for terminado, o jogador que tenha ganhado mais pontos de prestígio vence o jogo.

Ao final de um jogo disputado e marcado por muitos erros tivemos o seguinte placar:

  • Hemerson – 64
  • Tendson – 57
  • Franciolli e Ana Paula – 50

As estratégias foram variadas e todos cometeram vários erros, embora os meus tenham me custado uma bela vitória.

Abusando das lutas de justas e da construção do castelo, Hemerson conseguiu sair-se muito bem e

ganhou a partida, coisa que ele não fazia a três jogos.

Tendson se deteve a construção do castelo, mas também explorou muito bem os privilégios.
Eu desenvolvi bastante a vila e quase não pisei no castelo e errei na construção de um prédio, que me custou o jogo.
Paula não investiu em construções, mas manteve presença constante no castelo, o que não a fez ficar muito para trás, mas quando ela dominar a arte de construir, tem todas as chances de tornar-se uma grande artesã em Caylus.

Grupo Trampolim da Aventura – RPG e Jogos de Tabuleiro

O grupo Trampolim da Aventura começou apenas com RPG no ano de 1997, quando promoveu o 1º Trampolim da Aventura e só 11 anos mais tarde incorporou oficialmente os jogos de tabuleiro modernos quando promoveu a 1ª Amostra Lúdica Potiguar, evento ocorrido entre os dias 24 e 30 de março de 2008 no Praia Shopping na cidade de Natal. Até então o grupo não tinha realmente atividades oficiais.

Antes de promovermos o 2º Trampolim da Aventura: Contando Histórias, sequer tínhamos uma logo, que foi feita numa parceria de Johnny Menezes do D3 System e de Alex Fontes do grupo Trampolim da Aventura.

O grupo foi responsável por algumas iniciativas interessantes, como a criação de um mundo colaborativo para ambientação de cinco grupos na cidade de Parnamirim. A idéia foi levada adiante e rendeu alguns frutos, mas não atingiu o principal objetivo, que era integrar os grupos locais.

Trampolim da Aventura RPG

Apenas um grupo de RPG compõe oficialmente o Trampolim da Aventura RPG, mas há planos de associar outros grupos, como foi sugerido e solicitado durante o último evento.

O grupo em si existe desde 1995 e muita gente já passou pelo grupo, alguns rápidos como um meteorito, outros se demorando mais e participando e contribuindo para grandes aventuras.

Os membros atuais, que estão jogando D&D 4ª Edição são:

  • Franciolli Araújo (narrador)
  • Alexsandro Dantas
  • Álvaro Danilo
  • Hemerson Bezerril
  • Geovane Dantas (novato)
  • Williams Garcia (novato)
  • Janilson (novato)

Alguns membros mais antigos estão retornando ao grupo, como é o caso de:

  • Alex Fontes
  • Jadson Maximiano

Ambos estiveram afastados em função de faculdade e horários de trabalho.

Vez por outra as atividades do grupo dão uma parada, pois alguns dos membros como eu e o Hemerson por exemplo, algumas vezes viajamos e passamos longos períodos ausentes, de forma que para não prejudicar a continuidade das campanhas, decidimos por. Como somente eu narro, o grupo fica bem dependente da minha presença.

Quando marcamos, mas por motivos diversos não jogamos RPG, há sempre um jogo de tabuleiro disponível para saciar a nossa ânsia por aventuras.

Com o advento da quarta edição do D&D investi maciçamente nas aventuras da RPGA para, principalmente, mostrar aos jogadores o que é a quarta edição e dar-lhes intimidade com as regras, antes de planejar a campanha oficial do grupo, que já está no forno e deve sair no final de dezembro ou início de janeiro.

Os encontros lúdicos do grupo Trampolim da Aventura RPG ocorrem sempre aos sábados a partir das 13:30 h e com horário marcado para terminar, 17:30 h, sempre na minha casa.

Trampolim da Aventura – Jogos de tabuleiro modernos

Os jogos de tabuleiro modernos deram grande impulso as iniciativas do grupo e hoje, Tendson, um dos fundadores do grupo, anfitrião e colecionador de jogos, disponibiliza nos encontros lúdicos semanais, mais de 70 opções de jogos de tabuleiro modernos dentre os mais variados temas.

O grupo cresceu bastante e já temos alguns membros bem assíduos aos encontros lúdicos, que ocorrem sempre aos domingos, a partir das 13:30 h, com eventuais reuniões que duram o dia todo. Além do domingo, um encontro durante a semana tem se consolidado, na minha casa a noite.

Nos jogos de tabuleiro temos um grupo grande, que vem aumentando, mas os mais participativos são:

  • Tendson (anfitrião aos domingos e colecionador dos jogos);
  • Franciolli (anfitrião durante a semana para um grupo bem reduzido);
  • Ana Paula (minha esposa);
  • Hemerson Bezerril;
  • Takeshi;
  • Cedric;
  • Magno;
  • Maciel.

Recentemente ganhamos também a companhia de Nayan, que nos conheceu os jogos de tabuleiro modernos no 2º Trampolim da Aventura e estou torcendo para que mais gente venha conhecer o grupo.

Segundo Tendson, um segundo grupo está se formando e é composto por:

  • Mofche;
  • Senna;
  • Jenilson.

Além de Ana Paula a única mulher que tem comparecido, esporadicamente, aos encontros lúdicos é a Adriana, esposa do Hemerson.

Stone Age no BrettSpielWelt

Ontem comentei sobre o portal BrettspielWelt (BSW para os íntimos) e hoje entrei no MSN e convidei o grande Takeshi para dar uma jogadinha. O jogo escolhido foi o Stone Age, jogo fabricado pela Rio Grande Games (não, ela não é brasileira) e que ocupa atualmente o 32º lugar no ranking dos melhores jogos do portal Board Game Geek.

Em Stone Age, os jogores tem que batalhar para sobreviver na Idade da Pedra, trabalhando como caçadores, coletores, fazendeiros e fabricantes de ferramentas.

Você pode colocar até 10 membros da tribo em três fases. A primeira fase os jogadores colocam seus homens em regiões do tabuleiro que poderão beneficiá-los, incluindo caçada, posto de troca ou a pedreira. Na segunda fase, o jogador iniciante ativa com uma das áreas em que seus homens se encontram na sequencia que ele desejar, seguido pelos demais jogadores. Na terceira fase, os jogadores devem ter comida suficiente para alimentar os seus homens, ou experimentarem a perda de recursos ou pontos.

Joguei duas partidas, a primeira com Takeshi e mais dois gringos, um deles de Nova Iorque e o outro, meio mudo, não falou nada. Joguei apenas uma vez aqui em casa e era a minha primeira vez no BSW e as regras não estavam claras. Perdi feio, até pra Takeshi que ficou em terceiro lugar.

Na segunda partida, joguei apenas com o Takeshi, que graças a sua facilidade em pegar as manhas do jogo conseguiu vencer de lavada.

O tabuleiro de verdade é bem parecido e igualmente bonito, com algumas mudanças para adequar-se a interface virtual.

Formato da pontuação da primeira partida. Eu fiquei bem atrás, mas é assim mesmo. O importante é competir.

Uma verdadeira lavada. Assim defino a minha derrota para Takeshi.

Jogando com Takeshi perdi de 345 a 102…não dá nem pra comentar.

Venha jogar conosco também!

Jogos de Tabuleiro no PC- BrettSpielWelt

Quando pergunto a alguém se ela já jogou algum jogo de tabuleiro na vida, geralmente a resposta é positiva e os jogos mais citados são o War, Banco Imobiliário, Detetive, etc., mas ainda assim uma quantidade muito pequena de jogos que foram trazidos para o Brasil por umas poucas empresas a vários anos.

Mas quando pergunto se eles conhecem Puerto Rico, Caylus, Tigres & Eufrates, Arkham Horror, dentre outros, a resposta é sempre um grande NÃO!

Infelizmente, os jogos de tabuleiro ainda são uma realidade distante de muitos, principalmente pelo fato de serem importados sob sua importação incorrerem pesadas taxações, 60% sobre o valor do produto e algumas vezes sobre o valor do produto + frete.

Uma solução menos dispendiosa para quem quer conhecer esses jogos maravilhosos é juntar-se ao Grupo Trampolim da Aventura, ou caso more muito longe e não conheça ninguém que jogue, mas tenha acesso a internet seria procurar um portal de jogos.

Existem vários portais que permitem que você jogue com pessoas do mundo todo, mas acredito que o mais popular seja o BrettSpielWelt, que numa tradução do alemão ficaria algo como “mundo dos jogos de tabuleiro”.

Pelo que pude contar, são 72 jogos disponíveis no BrettSpielWelt, que conta com informações dos jogadores, ranking e possibilidade de formação de guildas. Por lá regularmente ocorrem campeonatos e, é claro, funciona como uma grande rede de sociabilização, onde você terá a oportunidade de conversar com gente do mundo todo.

Para instalar o portal no seu pc e sair jogando, é necessário fazer o download do cliente no site, o arquivo é pequeno, e ocupa menos de 5Mb quando instalado.

Na primeira tela da instalação clique em Durchsuchen para escolhar o local onde o programinha será instalado e em seguida tecle em Installieren para iniciar a instalação.

Quando a instalação terminar é só dar um enter e seguir pra próxima fase.

Vá no menu iniciar e procure a pasta BrettSpielWelt e rode o programa. Vai aparecer a tela abaixo, é só clicar em qualquer ponto da tela e esperar o programa ser carregado.


Após carregar você deverá digitar o seu nome e a sua senha, mas se ainda não se registrou não tem problema, ou melhor tem: muita gente não gosta de jogar com pessoas que não se registraram, pois essas partidas não contam pontos para eles e nem pra você, caso vença. O registro pode ser feito no portal do BrettSpielWelt sem burocracia.

Você será remetido então para uma tela como a mostrada abaixo, onde vários jogos estão abertos, esperando apenas por mais um jogador. Dê duplo clique em um dos ícones e entre na sala e gentilmente peça para jogar.


Pronto, você já está quase pronto para desbravar o mundo dos jogos de tabuleiro modernos, mesmo que via computador.

No canto superior direito há uma listagem com os nomes dos jogos em alemão e ele te levará para uma sala onde você tem a possibilidade de juntar-se a uma sala para observar um jogo em andamento, abrir a sua própria sala e participar de uma sala já aberta.

O idioma corrente é o inglês, mas o espaço também é uma ótima oportunidade para treinar o alemão e o francês.

Qualquer dúvida, pergunte ao Mago.

Abraços.

Noite Lúdica 13/11/2008

Recebi na Casa do Mago hoje, a visita de Tendson e Hemerson, que vieram para mais uma Noite Lúdica, um encontro semanal que está se consolidando aqui na minha casa.

Tivemos dois jogos, Cleopatra and the Society of Architects, o jogo novo do dia, e o já conhecido Agrícola.

Cleopatra é um jogo bonito e fácil com alguma dose de estratégia. O objetivo do jogo é contratar arquitetos para construir o palácio da poderosa Cleópatra da forma mais lícita possível, pois quem lança mão de determinadas táticas, ganha pontos de corrupção que no final do jogo determinarão se você poderá competir para ver quem é o vencedor, quem usou muitos artifícios corruptores e não conseguiu agradar os deuses suficiente, será atirado aos crocodilos.

Durante todo o jogo pensávamos que Tendson seria devorado, pois a maioria de suas ações tinham um pouco de corrupção, mas no final o placar ficou assim:

Franciolli – 33 pontos
Ana Paula – 28 pontos
Tendson – 24 pontos

Hemerson – Devorado pelos crocodilos

O segundo jogo, Agrícola, tem sido um dos jogos mais jogados ultimamente. Tem sido um desafio montar uma estratégia vencedora para lidar com o Agrícola, que se baseia na administração de uma fazenda. O tema pode até não chamar atenção, mas o jogo é sem dúvida viciante.

Após uma hora e meia de jogo, o placar ficou assim:

Tendson – 36 pontos
Franciolli – 19 pontos
Paula – 13 pontos
Hemerson – 12 pontos

Talvez tenhamos mais um sábado lúdico ou domingo lúdico nessa semana, provavelmente tentando fechar portais na cidade de Arkham [jogo este que estou traduzindo as regras pro português] ou qualquer outra coisa, quem sabe até RPG [que saudades].

Grupo Trampolim da Aventura

Eu pretendo, aqui na Casa do Mago, falar sobre vários assuntos, enfocando principalmente o RPG, jogos de tabuleiro e curiosidades que mereçam destaque.

Vou começar falando sobre o Grupo Trampolim da Aventura, a estrutura macro dos jogos organizados da cidade de Parnamirim-RN.

O grupo originou-se no ano de 1997, quando vários amigos se reuniram para promover o primeiro, e até agora único, evento lúdico dessa natureza na cidade. O objetivo era divulgar o RPG (role playing game), que despontava nas paragens parnamirinenses, embora já contasse com vários jogadores na cidade de Natal.

O evento ocorreu no Parnamirim Shopping, um centro comercial na cidade de Parnamirim que abrigou o evento na praça de alimentação do piso superior. O evento durou dois dias e nessa oportunidade tivemos além de várias mesas de jogos, a exposição de muitos livros e revistas sobre o RPG.

Muita gente se conheceu e vários grupos foram formados em virtude desse encontro.

Os grupos que se conheceram continuaram jogando, alguns é claro, deixaram o hobbie, outros permanecem até hoje, inclusive se envolvendo em outras frentes na tentativa de divulgar o hobbie para o público jovem.

Em 2008, após 11 anos de inatividade, o Grupo Trampolim da Aventura renasce das cinzas e organiza o 2º Trampolim da Aventura, evento ocorrido no piso superior do CEFET-RN, e que contou com a apresentação não só de RPGs, mas também dos jogos de tabuleiro modernos, hoje, o foco principal do grupo.

Duas pessoas estão a frente e respondem diretamente pelo Grupo Trampolim da Aventura: Tendson Artur (38, solteiro, funcionário público) e Franciolli Araújo (31, casado, professor).

Tendson é colecionador de jogos de tabuleiro modernos e sua coleção já passou dos 70 títulos, grande parte composta por jogos europeus. Franciolli gosta de RPG, principalmente D&D e articula junto com Tendson e um grupo de colaboradores, ações em prol da divulgação desses jogos como forma de sociabilizar, educar e é claro, como elemento lúdico.

Algumas ações estão previstas e estão na fase de planejamento para o ano de 2009.

Semanalmente, o grupo se reune na casa do Tendson (QG dos jogos de tabuleiro) para os Domingos Lúdicos, onde os jogadores se aventuram pelos mais variados jogos com os mais variados temas.

Para o ano de 2009 está sendo preparado o 1º Campeonato Trampolim da Aventura, somente com os jogos modernos.

Mais informações sobre o grupo, bem como suas atividades, podem ser encontradas na comunidade trampolim da aventura no orkut ou no blog do grupo.